5 cases de comunidades e sua relevância na sociedade

cultura estratégia futuro inspiração

As pessoas estão, em geral, prestando cada vez mais atenção na maneira como é possível ajudar a combater problemas sociais e estruturais na sociedade brasileira. Nosso poder de reinvenção e de renovação constantes, que descobrimos possuir graças à pandemia (tudo tem seu lado positivo, não é mesmo?), deixou isso ainda mais claro. Todo mundo pode (e deve) ajudar.

 

No que tange às empresas, muitas delas mudaram sua visão (ou já nasceram) para ter lucro sem deixar de lado o impacto social.

Quais empresas você conhece que, além de promover seu próprio negócio, o utiliza como veículo para fazer a sociedade prosperar?

Conhecemos algumas e as listamos aqui para você conferir:

 

1. Ter compromisso com a sustentabilidade

Não é novidade que, desde 1.500, as florestas brasileiras estão sendo desmatadas em grande quantidade. Um dos maiores compromissos que devemos ter no Brasil é a questão do cuidado com o meio ambiente. Pensando nisso, a Natura lançou, em 2011, uma iniciativa que já movimentou R$ 2,1 bilhões em volume de negócios na região Amazônica e beneficiou mais de 7 mil famílias locais. 

Quem é referência?

Natura

 

Há tempos a Natura vem mostrando que o sucesso da venda de seus produtos tem um compromisso com a comunidade de moradores da região da Amazônia e sua sustentabilidade, além de ter uma forte comunidade de aprendizagem para seus consultores (as) para que eles possam compartilhar suas experiências de como vender melhor e dicas sobre as linhas de produtos.

 

2. Possuir uma comunidade de suporte

Oferecer suporte para seus clientes/membros é fundamental para que eles permaneçam com você e consequentemente se tornem um fã ou advogado da sua marca. Afinal, todos gostam de receber suporte quando não conseguem resolver seus problemas.

Quem é referência?

Apple


As comunidades de suporte da Apple impulsionam a solução de dúvidas dos  membros, proporcionando um ambiente para feedback, auxílio e compartilhamento de informação em uma das comunidades de fãs mais ativas do mundo. Em outras palavras, a marca oferece muito mais que um produto - ela abre espaço para que clientes de diversas partes do mundo se conectem em torno de discussões e temas em comum.

 

 

3. Ter um compromisso com programas de equidade

 Não é novidade que estamos cansados de ver notícias que mostram a disparidade racial em boas oportunidades de acesso ao ensino de qualidade e empregos, portanto, as empresas estão cada vez mais aderindo aos programas de igualdade na sociedade mostrando que além de vender uma marca ela tem um compromisso para acabar com a disparidade racial.

Quem é referência? 

Google (Black Ads Academy)

O programa foi criado pelo AfroGooglers, o comitê de igualdade racial do Google Brasil. O Black Ads Academy tem como objetivo capacitar estudantes de marketing, ou até mesmo pessoas que querem mudar de carreira. O propósito é aumentar a representatividade negra no mercado publicitário. A companhia conta que muitas empresas já participaram da proposta. 

Por que é bem sucedido?

Além de mostrar para a sociedade brasileira que o povo negro precisa ocupar espaços que majoritariamente ainda não são ocupados por eles, o projeto mostra uma visão que talvez uma equipe totalmente branca não traga para o desenvolvimento dos negócios. O grande número de participantes e empregos conquistados mostraram o impacto e a necessidade de ações como essa dentro de grandes empresas.

 

 

4. Criar oportunidades para viver boas experiências 

As pessoas estão buscando viajar e viver boas experiências, seja virtual ou presencial, mas para que isso aconteça as pessoas gostam de criar relacionamentos em grupos antes de se aventurar, por isso faz-se necessário grupos de comunidades de empresas para ter  trocas de experiências entre os membros.

Quem é referência?

Airbnb


O
Airbnb nasceu em 2008 durante um momento de adversidade de seus fundadores. Dois estudantes, Brian Chesky e Joe Gebbia, moravam em São Francisco (EUA) e não tinham dinheiro para pagar o aluguel. Eles tiveram  a ideia de alugar 3 colchões de ar e oferecer café da manhã para os hóspedes. 

Incrível, né? Mas por que eles têm uma comunidade de sucesso?

A comunidade anfitriã do Airbnb prospera assim, oferecendo um espaço para que as pessoas construam relacionamentos, aprendam mais sobre as culturas umas das outras e se tornem melhores membros.

Além de oferecer boas experiências culturais, a empresa mostrou que tem o objetivo de ajudar nas soluções de problemas globais, como a iniciativa de oferecer acomodação gratuita a 20 mil refugiados afegãos.

 

 

5. Participação no desenvolvimento dos produtos

Qual cliente não gosta de participar das decisões de  novos produtos e serviços para não ser apenas um mero consumidor? Então, faça com que seus clientes estejam mais presentes no desenvolvimento dentro da sua comunidade. Uma dica que pode ajudar nisso é a criação de formulários de feedback para entender o que pode ser melhorado. 

Quem é referência?

Lego


A Lego Ideas começou originalmente em 2008 em colaboração com um site japonês e, desde então, cresceu e se tornou uma importante comunidade de criação de produtos. Aqui, os fãs de Lego podem enviar ideias de construção, e as mais populares podem acabar nas prateleiras do mundo todo.

Lembre-se que você sempre precisa colocar os membros/clientes em primeiro lugar. Siga algumas dicas que vão ajudar você a resolver os problemas da sua comunidade colocando as pessoas como  foco. Para fazer isso você precisa entender o que é uma estratégia Customer Centric.

 

Comunidades de marca prosperam com iniciativas para resolver problemas.

 

Abaixo, algumas lições importantes de fortes exemplos de comunidades:

  • A capacidade de criar programas para resolver problemas estruturais na sociedade.
  • A capacidade de criar grupos de pessoas para comunidade que compartilham ideias e interesses que ajudam a promover e fortalecer a comunidade e seus produtos.
  • Uma grande comunidade de marca reforça a percepção pública e privada dos membros da comunidade.

 

Bom, hoje abordamos algumas comunidades que estão trabalhando não apenas para melhorar seu próprio negócio, mas sim no desenvolvimento de toda a sociedade. Quais destes cases mais te inspiram?

Baixe nosso e-book gratuito sobre 10 passos para montar uma comunidade do zero acessando nosso plano básico gratuito. Se ficou com alguma dúvida, faça um comentário abaixo ou envie uma mensagem no nosso Instagram.
 

 

Emiliano Agazzoni
Emiliano é especialista em estratégias para comunidades e desenvolveu o primeiro curso e workshop sobre estratégias de comunidades do Brasil.

 

 

 

Receba nossa newsletter semanal