Como o AppJusto levantou o maior valor de crowdfunding do Brasil

digital ferramentas inspiração
delivery

 

Nesse artigo vamos te mostrar o que rolou num bate-papo entre Emiliano Agazzoni, fundador da CM School e Rogério Nogueira, fundador do AppJusto. Eles conversaram sobre empreendedorismo, comunidades, crowdfunding e impacto social.

 

O AppJusto é uma plataforma que traz um equilíbrio e relações mais justas no delivery. Os entregadores ganham mais e podem definir o valor do próprio trabalho e os restaurantes pagam taxas menores e são mais valorizados. Os consumidores, por sua vez, participam de uma economia justa de verdade pagando até 20% a menos nos pratos.

 

A ideia de criar o AppJusto começou em um bate-papo com Pedro Saulo, hoje sócio do AppJusto, antes da pandemia.

 

 

Logo no começo da pandemia, os entregadores faziam protesto, então eles viram que poderiam criar uma solução pra esse problema. 

 

Rogério e outros 3 amigos se reuniram (logo depois veio um voluntário que se tornou mais um dos cofounders) e criaram o AppJusto. 

 

O AppJusto é uma alternativa de delivery com uma experiência tecnológica operacional igual à que estamos acostumados, como o iFood, Rappi e assim por diante. 

 

Só que o AppJusto é bom para todos. O valor que o consumidor paga vai direto pro entregador. O restaurante não paga mensalidade. A taxa que ele paga é de 5%, comparada com os outros (27%).

 

Alguns benefícios do AppJusto:

 

  • sem taxas abusivas
  • não precisa de cupom
  • consumidor compra mais barato
  • os restaurantes repassam valores menores
  • um delivery que valoriza o trabalho do entregador

 

Falando sobre o relacionamento com os parceiros, como foi se gestando, criando, como começaram, Rogério comenta: “A gente se inspirou muito em cooperativas, até por isso que a cor do AppJusto é verde e amarela, que são cores das cooperativas e existe uma onda muito forte de cooperativismo de plataforma.”

 

Falando sobre o compromisso da transparência dentro da comunidade, ele menciona: “Não dá para ter uma comunidade, um senso de pertencimento se todo mundo não sabe o que está acontecendo. Tem também o crescimento sustentável, que é uma coisa bastante importante para nós, é o compromisso do preço justo também, que é uma das nossas fundações, mas focando aqui nesse relacionamento, eu acho que essa questão da participação, da autonomia, da transparência é muito importante.”

 

Rogério conversava com os entregadores pra entender o trabalho deles e até mesmo fez algumas entregas com sua bike.

 

Ele conta uma coisa que gerou impacto: “Quando eu comecei a falar “chegou o aplicativo que veio para combater a precarização do trabalhador”, a receptividade mudava completamente. Então, esse contato pessoal foi muito importante para todo o nosso posicionamento e para a construção. Aí a gente ia validando o que precisa ter e não ter.

 

Então a palavra mais importante no AppJusto é autonomia. Porque é o próprio entregador que define suas condições de trabalho. 

 

No AppJusto tem quase 40 voluntários contribuindo. Tem gente que dá uma opinião na área de comunicação, tem gente que ajuda a olhar e dar um suporte na parte tecnologia. Então, isso é comunidade.

 

O AppJusto nunca fez anúncio. 

 

Se o aplicativo realmente está mais justo, mais rentável, mais humano, mais respeitoso, então, é interesse deles divulgar. Por isso, eles trabalham muito o engajamento.

 

Rogério foi aluno do curso Community Management Strategy da CM School. Isso mostra que quem faz um curso de gestão da comunidade não é simplesmente um Community Manager, mas pode ser um profissional de marketing, um empreendedor, um empresário, um fundador que quer fundar um negócio como o do Rogério.

 

Pra finalizar o bate-papo, Rogério deu uma dica para empreendedores que querem criar um negócio voltado para a comunidade. 

 

“Dê algo, compartilhe, esteja presente. A primeira dica é essa, não fica lá só absorvendo, porque se daqui a pouco tá um monte de gente só absorvendo, a comunidade morre. Outra coisa para a gestão de comunidade é ter um planejamento. Entenda quais são os objetivos de cada pessoa, quais são os interesses em comum, qual o objetivo dessa comunidade e seu papel enquanto gestor de comunidade… viva a comunidade e aproveite o máximo dela.”

 

Pra assistir a esse bate-papo completo, é só clicar no vídeo abaixo.

 

 

 

 

Gabriela Montezi
Gabriela é analista de marketing digital da CM School, apaixonada pelo mundo digital e por criar conteúdos.

 

Receba nossa newsletter semanal