O papel das comunidades no financiamento coletivo

engajamento estratégia monetização planejamento
papel das comunidades no financiamento coletivo

Mais do que apoiar e viabilizar um plano ou uma ideia, o envolvimento das comunidades (e dos community managers) nos projetos financiados de forma coletiva gera uma visibilidade importante e pode ajudar a monetizar a própria comunidade. 

 

Para começar, vamos do começo…

O que é mesmo financiamento coletivo?

 

Muitos empreendedores têm uma ideia + os recursos para viabilizá-la, para colocá-la em prática. Outros, no entanto, precisam de sócios ou pessoas que acreditem na sua proposta para colocar dinheiro a fim de que ela saia do papel.

Com a Internet como uma excelente apoiadora (e potencializadora) na busca de apoio para situações como esta, nasceu o crowdfunding ou financiamento coletivo.

Pessoas cadastram suas ideias/projetos em plataformas colaborativas e passam a divulgá-los para ganhar apoio social e financeiro do maior número possível de colaboradores.

Lembra da “vaquinha”? É uma evolução dessa boa e velha iniciativa.

 

Há diversas plataformas de financiamento coletivo no Brasil, entre elas:

 

Catarse


Nascida em 2011, foi a primeira plataforma brasileira a financiar projetos criativos de forma colaborativa.

“Nascemos para incentivar a criatividade, a arte, o ativismo, a ciência e o empreendedorismo. Gostamos de projetos que trazem novas perspectivas, são disruptivos, geram diversidade e promovem debates saudáveis para a sociedade."

O manifesto de fundação da Catarse diz que o site nasce de uma dor: ver gente brilhante com projetos engavetados.

 

Números da comunidade do Catarse em junho de 2021.


 

Benfeitoria

 

Fundada no final de 2013, a Benfeitoria é uma plataforma de mobilização de recursos para projetos de impacto cultural, social, econômico e ambiental.

Eles afirmam que foram a primeira plataforma do mundo a não cobrar comissão e a primeira do Brasil e oferecer novas modalidades de financiamento coletivo, como o Recorrente (também conhecido como Crowdfunding por Assinaturas) e o Matchfunding (parceria entre a plataforma e patrocinadores, que investem dinheiro no projeto cada vez que alguém ajudar a financiá-lo).

 

Números da Benfeitoria em junho de 2021.

 

E fora do Brasil? 


Em bandas estrangeiras, a Kickstarter e o Indiegogo são bem populares.

A missão da Kickstarter é “Ajudar a dar vida a projetos criativos. Acreditamos que a arte e a expressão criativa são essenciais para uma sociedade saudável e vibrante, e o espaço para criar requer proteção.”

 

Alguns números da Kickstarter em junho de 2021. 

 

Já a missão da Indiegogo é “Capacitar as pessoas a se unirem em torno de ideias importantes para elas e, juntas, dar vida a essas ideias.”

Se isso não é comunidade, não sabemos mais o que é….

 

Números da Indiegogo em junho de 2021.

 

Estratégia para startups

O crowdfunding oferece uma nova oportunidade para os empreendedores lançarem empreendimentos sem ter que depender de mecanismos tradicionais de financiamento, como bancos e investidores.

Isso é especialmente interessante para empreendedores.

Muitas startups conseguem não só se lançar no mercado através do financiamento coletivo, mas também utilizam desta estratégia para testar ideias, fazer pesquisa de mercado, realizar pré-venda, criar comunidades e, inclusive, atrair o olhar de investidores.

No caso das startups, com o passar do tempo, o modelo tradicional de financiamento coletivo evoluiu para outros dois formatos.

De forma resumida, são estes aqui:

 

  • Debt crowdfunding (também conhecido como peer-to-peer lending)
    As plataformas são usadas para intermediar o trabalho de levantamento de capital. Funciona como um empréstimo, já que o valor da doação é devolvido com juros depois de um certo tempo.

  • Equity crowdfunding

    Os contribuintes são, na verdade, investidores que fazem um aporte na empresa com o objetivo de financiar seu crescimento. Desta forma, estes investidores se transformam em sócios da empresa.

 

Qual o papel das comunidades nisso tudo?


Como falamos acima, mais do que um meio de arrecadar recursos de maneira colaborativa, o crowdfunding é também uma excelente ferramenta para testar um produto, serviço e construir comunidades.

Até porque, no final das contas o crowdfunding só dá certo quando a comunidade envolvida acredita na proposta e exerce uma força poderosa a fim de realizá-la.

Os criadores do projeto coordenam esforços e exploram oportunidades para cumprir as metas dos seus planos ao mesmo tempo em que são mais abertos sobre seu processo e interagem mais de perto com sua comunidade para realizar seu trabalho. Tá aí um outro valor da comunidade para as iniciativas de crowdfunding.

 

Ele tem nas mãos toda sua comunidade pronta para ajudar.

 

As comunidades trabalham para apoiar o trabalho de financiamento coletivo, por exemplo, fornecendo orientação para novos membros e dando feedbacks sobre a apresentação da campanha, entre outras iniciativas.

Para motivar as pessoas a aderir ao projeto, os Community Managers devem:

 

  • atuar diretamente com os membros da comunidade;

  • ter uma boa e estratégica rede de contatos;

  • enviar mensagens claras, fáceis e personalizadas sobre o que deve ser feito ou sobre um número crítico de pessoas que precisam aderir à causa;

  • dar provas de que o engajamento fará a diferença no bem-estar da comunidade;

  • mostrar que existe uma urgência em aderir.

  • mostrar a contribuição dos membros por meio de uma barra de acompanhamento de financiamento, por ex;

  • transformar os colaboradores em verdadeiros evangelistas que divulguem o projeto junto com ele.

  • estimular o espírito colaborativo dentro da comunidade;

  • expressar a necessidade de arrecadar fundos até um determinado prazo;

  • sempre (e não só durante o tempo de desenvolvimento do projeto) fomentar uma cultura mais humana e colaborativa no país.

 


A importância da rede de contatos

Há alguns fatores que precisam funcionar para que o projeto dê certo dentro de uma plataforma de financiamento coletivo.

Alguns deles já mencionamos aqui, mas ter uma excelente rede de contatos é absolutamente fundamental para o sucesso de qualquer iniciativa numa plataforma de crowdfunding.

Grande parte dos apoiadores e divulgadores do projeto serão pessoas próximas ou farão parte da rede dos responsáveis pelo projeto, portanto um network bem estruturado fará total diferença no andamento e conclusão da iniciativa.

Os criadores testam o material de campanha pedindo feedback para sua rede pessoal e para a comunidade de apoiadores.

É sabido que aqueles que buscam ativamente feedback antes e durante a campanha tendem a ter mais sucesso.

A maioria dos projetos que fracassam tem como principal explicação a incapacidade dos seus criadores em alavancar de maneira eficiente uma audiência online.

 

As comunidades são estratégicas para o crowdfunding

 

Olha aí a comunidade e o CM como estratégia-chave para o sucesso destes projetos!

Por isso (também) os community managers têm um papel precioso de apoio ativo em todas as fases do projeto:

(1) planejamento, colaborando com o preparo do conteúdo da campanha;

(2) testando e dando feedback sobre os materiais - conteúdo, design e identidade visual;

(3) divulgando a campanha para apoiadores em potencial, compartilhando a notícia via boca a boca com a ajuda da comunidade, além de contribuir com a construção da audiência;

(4) acompanhando a campanha e dando suporte durante todo tempo possível;

(5) retribuindo para a comunidade com recursos financeiros que viabilizem iniciativas próprias, afinal de contas uma campanha de crowfunding pode ser uma super oportunidade para monetizar a comunidade.



E aí, você e sua comunidade já apoiaram alguma iniciativa de crowfunding? Conta para gente!

 

Amanda Salim
Amanda é jornalista, cofundadora da CM School e Head of Community for Latam no Mercado Favo.

 

Receba nossa newsletter semanal